Genética nacional ganha força e novas informações

A genética nacional responde hoje, segundo dados da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), por mais de 50% da comercialização de sêmen de gado de corte no país com valores próximos a 4 milhões de doses. Um mercado expressivo e que é resultado do aumento das informações disponíveis em ações como o Programa de Melhoramento de Bovinos de Carne (Promebo), capitaneado pela Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares (ANC), e que lançará, durante a Expointer 2018, em Esteio, o Sumário de Touros ANC/PROMEBO 2018 das raças Aberdeen Angus, Brangus, Hereford e Braford, Devon e Charolês. A apresentação dos novos dados ocorrerá em evento na segunda-feira (27/08) no estande da ANC no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). Segundo o presidente da ANC, Ignacio Tellechea, os livros deste ano tiveram aumento no número de reprodutores nacionais listados.

Organizadas por raça, as publicações reúnem dados de touros pais nacionais e importados utilizados nas últimas safras nos rebanhos brasileiros. De posse desses dados, o selecionador e o usuário de genética que trabalha com cruzamento podem escolher acasalamentos de acordo com as características de seus rebanhos e objetivos de seleção. A coordenadora Programa de Melhoramento de Bovinos de Carne (Promebo), Fernanda Kuhl, ressalta a relevância do trabalho realizado em conjunto com as associações de raça em compilar indexadores essenciais para aprimorar o melhoramento genéticos dos rebanhos puros dentro e fora do Rio Grande do Sul. “Os sumários de touro do Promebo reúnem todas as informações que o selecionador precisa. É uma ferramenta de trabalho que deve ser utilizada por todos os pecuaristas interessados em incrementar os ganhos genéticos em seus rebanhos,  inclusive no Brasil Central onde o foco é o cruzamento industrial”, ressaltou. 

Os sumários de 2018 também chegam com mudanças na forma de ranquear os touros. Até 2017, os animais eram apresentados conforme as chamadas Decas, um padrão que indicava os reprodutores superiores de sua geração. Um animal Deca 1, por exemplo, estava entre os 10% melhores; o Deca 2, entre os 20%, e assim sucessivamente. Neste ano, todos os touros serão apresentados com um percentil para cada indexador calculado. A finalidade é classificar de forma rápida e objetiva os índices de um determinado touro em relação aos demais participantes da análise. O percentil varia de 1% a 100%. Por exemplo: um touro com percentil 5% em uma dada característica indica que ele está entre os 5% melhores desta avaliação. 

Outra mudança determinada pelo Conselho Técnico da ANC em 2018 foi a inclusão no Sumário de uma leva de touros novatos que apresentam apenas Índice de Desmama, mas que já têm, no mínimo, 20 filhos avaliados na última geração. A ideia, defende Fernanda Kuhl, é divulgar previamente o desempenho desses reprodutores de forma a medir seu índice de sucesso.

Voltar