ANC realiza seleção de técnicos para a raça Canchim em Angatuba

Sete candidatos participaram do processo de seleção de técnicos para a raça Canchim. As provas foram realizadas pela Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares (ANC) na propriedade ILMA Agropecuária, localizada em Angatuba (SP), nesta terça-feira (14). Os novos inspetores técnicos da raça serão conhecidos até a próxima terça-feira (21/12).

Flávio Montenegro Alves, diretor técnico da entidade, foi o responsável por avaliar os candidatos. Ele destaca a qualidade dos participantes e a rigorosidade do processo de seleção que foi composto por prova teórica, entrevistas e avaliações práticas. “É um processo bem completo e fundamental para definir quais candidatos se encaixam no perfil, pois o técnico tem que conhecer profundamente a Canchim, ser comunicativo, disponível e que tenha capacidade de divulgar e fomentar a raça”, explica ele. 

Para Cintia Righetti Marcondes, pesquisadora da Embrapa Pecuária Sudeste e presidente do Conselho Deliberativo Técnico da Canchim, o processo de escolha de mais técnicos, que atuarão em todo território nacional, também é uma forma de ajudar a expandir os registros da raça devido à maior proximidade desses profissionais com os criadores. “Acreditamos que os técnicos são bastante estratégicos na retomada de registros da raça, então tanto a ANC quanto a Associação Brasileira de Criadores de Canchim (ABCAN) agora podem disponibilizar um mapa de abrangência dos técnicos escolhidos e retomar o contato com criadores que já realizaram o registro da raça e que pararam por algum motivo”, acentua.

Durante a oportunidade, os candidatos interessados também puderam participar do processo de seleção para se tornarem técnicos do Programa de Melhoramento de Bovinos de Carne (Promebo). Silvia Freitas, superintendente de registros da ANC, enfatiza a importância do programa para o melhoramento genético da raça Canchim, que passou a ser registrada pela entidade em 2020. “Nosso foco é sempre fomentar o uso de ultrassonografia de carcaça, qualificar as informações genéticas e entregar dados de forma ágil e consistente”, pondera.

Foto: Silvia Freitas

Voltar